domingo, 2 de setembro de 2012

Tatuagens de Gatinhos




O gato é um animal fascinante.

O que gera de amor e ódio é quase inacreditável. Sua história no decorrer dos séculos é variada e por isso buscar um significado para uma tatuagem de gatos, baseado no que nos dizem os antigos nos deixa perdido e praticamente na estaca zero.

Os gatos sempre fascinaram os homens através dos anos da história. Eles são criaturas lunares, e estão associados às artes mágicas, proteção da casa e mulheres. Eles também representam a conciliação dos opostos: a pele macia e as garras afiadas.


O gato pode significar:

Forte protetor em situações conflituais. Como um animal místico, o gato é também um forte guardião do interior dos poderes.

Na Cabala Cristã e no budismo o gato representa a sabedoria, a prudência e a vivacidade.
Na Cabala Judaica, o gato é associado ao mal e ao pecado. (Eu não sei disso, não. Achei uma viagem...)

Na Índia, o gato é considerado ambíguo, porque foi o único animal que não quis ver a elevação de Buda, mas isso também poderia significar que ele foi o único a entender o budismo, que prega a indiferença diante de acontecimentos para atingir a iluminação.

Na magia ele representa o guardião, o animal que é a ponte para o submundo....daí juntou-se o preto com a escuridão, mitos da morte e associaram o gato preto como o animal da bruxa, o guardião e o elo com o demônio.


Enfim...


GATO, segundo o “Dicionário de Símbolo”, Jean Chevalier & Alain Gheerbrant; José Olympio Editora; 8ª Edição, 1994 – Págs. 461-462 e 463 é:

"O simbolismo do gato é muito heterogêneo, pois oscila entre as tendências benéficas e maléficas, o que se pode explicar pela atitude a um só tempo terna e dissimulada do animal. No Japão, o gato é um animal de mau augúrio, capaz, segundo dizem, de matar as mulheres e de tomar-lhes a forma. O célebre e tranquilo gato de Jingorô, em Nikko (pequenina cidade do município de Tochigi, bastante próxima de Tóquio, e um dos principais centros de peregrinação e turismo do Japão), parece não ter senão um valor decorativo. No mundo búdico, censura-se o gato por ter sido um dos dois únicos animais (a serpente foi o outro) que não se comoveram com a morte do Buda; o que poderia, no entanto, de um ponto de vista diferente, ser considerado como sinal de sabedoria superior.

Encontram-se, na Índia, estátuas de gatos ascetas que representam a beatitude do mundo animal (Kramrisch); mas o gato é também, ao contrário, a montaria e a aparência exterior assumida pela iogini Vidali. Na China antiga, o gato era considerado mais como animal benfazejo, e sua postura era imitada nas danças agrárias, assim como a do leopardo (Granet).

Ainda em nossos dias, no Kampuchea (Camboja), costuma-se transportar um gato engaiolado de casa em casa, no decurso de uma procissão cantante, com a finalidade de obter a chuva: cada morador do vilarejo deve regar o gato, cujos aflitos miados, diz a crença, comovem Indra, o deus distribuidor do aguaceiro fecundante. Esse costume pode ser interpretado de diversas maneiras quando se leva em conta o simbolismo da chuva. O gato, portanto, está ligado à seca que, por sua vez, evoca a noção de caos primordial, de prima matéria não fecundada pelas águas superiores.

Pode-se notar, pelo menos à guisa de curiosidade, que tanto na Cabala como no budismo o gato é associado à serpente: indica o pecado, o abuso dos bens deste mundo (Devoucoux). Nesse sentido, o gato é por vezes representado aos pés do Cristo.

O artesanato popular vietnamita de imagens satíricas faz do gato o emblema do mandarim, em última análise o equivalente exato da expressão francesa chat fourré (trad. Lit.: gato enfeitado de peles, designação humorística dos doutores, magistrados ou altos dignitários cujos trajes de cerimônia são guarnecidos de pele).

O Egito antigo venerava, na figura do gato divino, a deusa Bastet, benfeitora e protetora do homem. Numerosas obras de arte o representam com uma faca numa das patas, decepando a cabeça da serpente Apófis, o Dragão das Trevas, que personifica os inimigos do Sol e que se esforça por fazer soçobrar a barca sagrada, durante sua travessia pelo mundo subterrâneo. Neste caso, o gato simboliza a força e a agilidade do felino, postas a serviço do homem por uma deusa tutelar a fim de ajudá-lo a triunfar sobre seus inimigos ocultos.

Na tradição celta, o simbolismo do gato é muito menos favorável do que o do cão ou do lince. O animal parece ter sido considerado com alguma desconfiança. Cenn Chaitt, o cabeça de gato, é o apodo do usurpador Cairpre que, ao ocupar o trono da suprema realeza, causa a ruína da Irlanda. Um gato mítico pune, na navegação de Mael-Duin, um dos irmãos de leite deste último, que pretendera, num castelo deserto onde o bando se detivera para festejar, se apoderar de um círculo de ouro. O ladrão é reduzido a cinzas por uma labareda lançada pelos olhos do gatinho que, em seguida, volta às suas brincadeiras. O porteiro do Rei Nuada, em Tara, tinha também um olho de gato, e isso o incomodava quando queria dormir, pois, durante a noite, com os guinchos de ratos e pios de pássaros, o olho se abria. E por fim,, no País de Gales, um dos três flagelos da Ilha de Anglesey, segundo as Tríades da ilha da Bretanha, é um gato parido pela leitoa mítica Henwen (Velha-branca); atirado ao mar pelo guardador de porcos, ele foi, desgraçadamente, salvo e criado por imprudentes. Entretanto, fica-se na dúvida sobre um certo ponto em todas essas lendas, pois em alguns casos é possível que se tratasse do gato selvagem, e não do gato doméstico.

Na tradição muçulmana, o gato (qatt) é considerado como um animal basicamente favorável, salvo se for preto. De acordo com a lenda, como os ratos incomodassem os passageiros da Arca, Noé passou a mão na testa do leão que espirrou, lançando fora um casal de gatos; esta é a razão pela qual esse animal se assemelha ao leão. O gato é dotado de baraka. Um gato completamente preto possui qualidades mágicas. Dá-se sua carne a comer para ficar livre da magia; se o baço de um gato preto for pendurado bem junto do corpo de uma mulher menstruada, interrompe-lhe as regras. Utiliza-se o sangue do gato preto para escrever poderosas palavras encantatórias. Ele tem sete vidas. Muitas vezes, os Djin (nome que os árabes dão a seres, benéficos ou maléficos, superiores aos homens e inferiores aos anjos) aparecem sob a forma de gatos.

Na Pérsia, quando se maltrata um gato preto, corre-se o risco de estar maltratando o seu próprio hemzad (espírito nascido ao mesmo tempo que o homem, para lhe fazer companhia) e assim, de prejudicar-se a si mesmo. Segundo outros, um gato preto é um Djin malfazejo que se deve cumprimentar, sempre que ele entra durante a noite num quarto.

Em muitas tradições, o gato preto simboliza a obscuridade e a morte.

Às vezes, o gato é concebido como um servidor dos Infernos. Os nias (Sumatra) conhecem a árvore cósmica que deu nascimento a todas as coisas. Os mortos, para subirem ao céu, passam por uma ponte: debaixo dessa ponte está o abismo do inferno. Um guardião está postado à entrada do céu, com um escudo e uma lança; um gato ajuda-o a atirar as almas pecadoras nas águas do inferno.

Entre os índios pawnees da América do Norte, o gato é um símbolo da sagacidade, de reflexão, de engenhosidade; ele é observador, malicioso e ponderado, alcançando sempre seus fins. Por essa razão era um animal sagrado, que só podia ser morto com finalidade religiosa e através de alguns rituais.

Depois da sagacidade, e engenhosidade vem o dom da clarividência, o que leva os povos da África Central a confeccionarem suas sacolas de remédios com pele de gatos selvagens.”


O gato, assim como inúmeros outros animais, possui um simbolismo muito diversificado, variando entre significados benéficos e maléficos, dependendo da mitologia e da religião em que o animal é descrito. A mitologia trata-se de algo importantíssimo para humanidade, pois graças à ela as pessoas buscam atingir as virtudes e qualidades que os deuses representam. Porém, não podemos nos deixar levar por atitudes que, supostamente, nos trariam benefícios em troca do bem-estar ou mesmo da vida de qualquer animal. Crer que um gato, por exemplo, somente por ser preto, possa nos levar à morte ou nos trazer mau agouro passa um pouco dos limites, uma vez que muitas pessoas fazem-no sofrer  ou o sacrificam por prevenção à estas situações maléficas. 

"A Igreja, no início de sua história, adotou alguns símbolos pagãos e rejeitou outros. Assim, Jesus se tornou o "Leão de Judá", e a serpente a égide do mal. Na seita dos coptas, surgida por volta do século I d.C., havia no evangelho gatos que julgavam os homens após a morte. A primitiva Igreja Celta associou vários santos às tradições pagãs e ao culto do gato. (...)
Na Idade Média, entretanto, a imagem do gato começou a mudar. No século V, os gnósticos, que atribuíam igual importância a Jesus, Buda e Zoroastro, foram acusados de adorar o demônio na figura de um gato preto, macho. Em 1344, surge na França o culto de São Vito, em Metz, queimando vivos anualmente 13 gatos em uma gaiola.
Quando a peste negra atacou a Europa, dizimando quase um terço da população, inicialmente os gatos foram considerados culpados e perseguidos, ordenando-se a sua destruição.
A associação da figura do gato ao culto ao demônio levou inevitavelmente à sua vinculação à feitiçaria e às artes mágicas. No século XV, na Alemanha, ressurgem cultos pagãos como o da deusa Freya. Em 1484, o papa Inocêncio VIII difunde a crença de que as feiticeiras veneravam Satanás encarnado em gato. Por toda a Europa, pessoas inocentes foram torturadas em nome de Deus. E, com elas, seus gatos. Em Ypres, na França, centenas de gatos eram atirados do alto de um campanário em um festival anual. Milhares de gatos foram sacrificados em rituais durante a Páscoa. A perseguição chegou até mesmo à América quando, em 1692, várias pessoas foram executadas em Salem, no estado de Massachusetts."

Fonte: Deixe um gato supreender você, Yara Rocca, Instinto editorial, 1 edição, 2007.


Sobre Gato:


01


02
 
03

04


05


06


07


08


09


10

11



12



13
 
14
 
15

16


17


18

19


20

21


22
 
23

24


25
 
26
 
27
 
28
 
29


30


31
 
32
 
33
 
34


35


36


37


38
 
39


40


41


42


43


44


45


46


47


48


49


50






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sejam Felizes

Além das historinhas de meus próprios gatinhos, espero que gostem das informações que coloquei. Estou certa que conhecerão muito mais sobre os gatos. São informações muito úteis sobre eles. Inclusive dicas de livros sobre gatos. Postei aqui cerca de 600 Gifs animados de gatinhos, mais de 500 gatinhos estáticos, pinturas de gatinhos,DESENHOS para pintar de gatinhos (Para Crianças), miniaturas, alphas (alfabetos), tags, natalinos, barrinhas, fundo de email, gatos mágicos e muito mais; TUDO referente a nossos amados bichanos. Então, é só aproveitar e sair baixando tudo que interessar. Com Amor e Carinho. ♥♥♥Martha Cibelli♥♥♥

Precisamos de MIL assinaturas

Seguidores

Labels

Follow by Email

Mais vistas

 

GatoMania Templates Ipietoon Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)