sábado, 16 de fevereiro de 2013

BACTÉRIAS e doenças ligadas a estas



BACTÉRIAS E DOENÇAS LIGADAS A ESTAS



Gente, não deixem seu gatinho ou cão morrer, informem-se, pois infelizmente a maioria dos veterinários tratam os bichinhos com descaso.


Existem bactérias por toda parte, e há milhares delas no ar, na água, no solo e inclusive em nossos corpos e dos nossos animais.

São organismos vivos que colonizam os tecidos dos animais e se multiplicam em grande velocidade. Embora existam algumas bactérias que pertencem à “flora normal” e são benéficas para o organismo, certos tipos de bactérias podem causar infecções e doenças.

Cães e gatos são suscetíveis a uma grande variedade de infecções bacterianas. Algumas destas infecções podem até mesmo ser fatais! Mesmo uma pequena infecção bacteriana, se não tratada, pode levar a graves problemas de saúde dos pets.

Existem vários tipos de infecções:

- Na pele ( piodermite, feridas traumáticas ),
- olhos, ouvidos ( otite ),
- urina ( cistite ),
- rins (pielonefrite, leptospirose),
- sangue (Erliquiose – a “doença do carrapato”),
- sistema gastrointestinal  (diarreia,colite ulceras…),
- sistema respiratório ( pneumonia, traqueobronquite )
- sistema nervoso (encefalite, infecções na coluna vertebral ), etc.

Nós podemos perceber quando nossos animais estão com alguma infecção. Alguns sintomas de infecção bacteriana como fraqueza, falta de apetite, febre. Outros sintomas dependem do local da infecção, por exemplo:

-        Infecções de pele:  secreções, pústulas, feridas,  crostas, “vermelhidão”, coceira, falhas no pelo…

-        Sistema urinário: urina escura, sangue na urina, dificuldade para urinar, incontinência urinária…

-        Ouvido: excesso de cera , coceira, secreção de pus nos condutos auditivos…

-        Sistema digestivo: vômito, diarréia, sangue nas fezes, mau cheiro na boca…

-        Vias respiratórias: secreção nasal, tosse, espirro, dificuldade para respirar…
-        Sistema nervoso: convulsão, dificuldade locomotora…


O diagnóstico deve ser feito pelo médico veterinário e alguns exames de laboratório (como hemograma, exame de urina, citologia, sorologia, etc) podem ser necessários para a confirmação da infecção.

Qualquer tipo de infecção deve ser tratada e controlada, pois as infecções não controladas ou não tratadas podem se disseminar pelo corpo por todo e causar a morte do animal.

Antibióticos são substâncias que “matam” ou impedem a multiplicação das bactérias.

O uso  de antibióticos pode eliminar infecções que de outro modo poderiam se transformar em risco de vida para cães e gatos.Um dos grandes desafios no uso de antibióticos é a resistência ao antibiotico.

Muitas bactérias desenvolvem esta resistência, o que significa que não são mais afetadas por eles, continuando a infecção, mesmo que o antibiótico continue a ser admnistrado.

Por isso é muito importante que estes medicamentos sejam administrados exatamente como foram prescritos pelo veterinário, mesmo quando os sinais da infecção estão melhorando ou sumiram.

Se os antibióticos forem interrompidos antes do tempo correto, as bactérias parcialmente resistentes continuam se multiplicando, criando uma super bactéria com resistência aumentada, que será mais difícil de ser tratada. Somente o veterinário pode indicar quando parar o uso do antibiótico!

Para evitar este tipo de problema o veterinário escolherá o antibiótico ideal para cada tipo de infecção. Esta escolha é feita com base em um exame de laboratório, o teste de cultura e antibiograma.

Neste exame o material “infectado” (secreção de ouvido ou de pele, urina, etc.) é incubado para promover o crescimento bacteriano em placas especiais onde podemos identificar quais bactérias estão presentes num quadro infeccioso e quais antibióticos são mais eficazes contra elas.

Com este exame podemos contornar o problema da resistência aos antibióticos.Muitas vezes, se tratarmos alguma infecção sem este exame, podemos usar algum antibiótico que não seja tão eficaz!

Alguns casos de infecção de pele, ouvido e urina, por exemplo, se tratadas sem o exame de cultura e antibiograma, usando os antibióticos que não são os ideais naquela situação, faz com que a infecção não seja curada ou que, melhore por apenas algum tempo, mas depois volte e volte ainda “mais forte”.

Por isso é importante que qualquer tipo de infecção seja identificada, tratada e acompanhada pelo médico veterinário para que a escolha do antibiótico seja feita de maneira adequada e pelo período de tempo adequado, baseando-se sempre que possível pelo exame de cultura e antibiograma, entre outros.



SUPERBACTÉRIAS

Infelizmente o problema de resistência bacteriana dando origem à super bactérias, aquelas resistentes a vários antibióticos ocorre com frequência no meio veterinário.

O grande problema é que cães e gatos, com infecções diagnosticadas por veterinários e medicados corretamente, muitas vezes apresentam melhora significativa dos sintomas (e não da infecção bacteriana) e o proprietário decide parar o tratamento. Outras vezes é muito difícil de medicar o animal e este apresentando uma melhora, os proprietários param o medicamento ou também não conseguem fazer a dosagem correta nem o intervalo correto do antibiótico (dificuldade de medicar o  animal). A bactéria que ainda não foi erradicada totalmente pode se recompor e se tornar resistente à medicação.

Infecções bacterianas de pele e ouvidos (otite e piodermite) em animais de estimação devem ser tratadas no mínimo 15 dias com antibiótico, podendo se estender durante meses até quando o veterinário notar que não há mais necessidade da medicação.

Infecções de trato urinário (cistite, pilonefrite) se recomenda no mínimo 21 dias de antibiótico assim como nas mordeduras e feridas sépticas podendo se estender meses de tratamento.

Para infecções ósseas (osteomielite) a antibioticoterapia é realizada por tempo indeterminado até haver completa resolução diagnosticada por radiografia.

Na verdade em qualquer infecção recorrente deve-se fazer cultura da bactéria e antibiograma para identificar qual é a bactéria e a qual antibiótico ela é susceptível.

Nós veterinários (os que têm consciência) devemos conscientizar os proprietários de animais da responsabilidade da administração de antibiótico, indicar o melhor produto para facilitar a medicação seja oral em forma de comprimido,  solução oral tipo xarope, injetável e  reforçar que o tratamento não pode ser interrompido para não sermos responsáveis por este grande problema mundial hoje em dia: SUPER BACTÉRIAS RESISTENTES, o que ocasionará dano tanto para animais como poderá também causar danos para a humanidade.





Há algumas doenças associadas...


DIARRÉIA CRÔNICA



Giardia é um protozoário (parasita unicelular) que vive no intestino delgado de cães e gatos encontrado em todo o mundo. A infecção por Giardia é chamada de giardíase.


Como a Giardia se reproduz e como é transmitida?




O parasita se multiplica por divisão. Um cão é infectado ao ingerir o parasita presente no alimento ou na água contaminado ou mesmo nas fezes. No intestino delgado o parasita se reproduz e depois de algumas transformações é eliminado nas fezes contaminando o ambiente e perpetuando o ciclo, podendo infectar outros animais e as pessoas.

Quais são os sinais de uma infecção causada por Giardia?

A maioria das infecções por Giardia é assintomática (sem sintomas). Os sinais clínicos são mais comuns em filhotes e animais imunossuprimidos (com alguma debilidade do sistema imune). O sintoma mais comum é a diarréia aguda, intermitente (vai e volta) ou mesmo crônica.

Normalmente, os animais infectados têm cólicas, podem perder o apetite, perder peso e não raramente vomitar. O aspecto das fezes varia de normais, às vezes esverdeadas e com muco gelatinoso ou estrias de sangue, com cheiro ruim, e parecendo gorduroso. No intestino, a Giardia impede a absorção adequada de nutrientes, danifica a mucosa intestinal interferindo na digestão.

Giárdia de cães pode infectar as pessoas?

Há muitas espécies de Giárdia e não se sabe ainda se a Giardia canis infecta também as pessoas. Algumas infecções em humanos podem estar relacionadas a infecções em animais domésticos e selvagens. Na dúvida devemos considerar que sim essa possibilidade.

A maior fonte de infecção no homem provem de águas contaminadas. A contaminação dos mananciais urbanos com Giardia é geralmente atribuída ao esgoto domésticos (humano). Em zonas rurais, animais domésticos e selvagens podem causar a contaminação de mananciais.

Como podemos diagnosticar a giardíase?

O diagnóstico da giardíase é muito difícil porque os protozoários são muito pequenos e são eliminados nas fezes de forma intermitente. Assim em algumas amostras de fezes é possível identificá-los e em outras amostras não encontraremos nada.

Para facilitar o diagnóstico o método recomendado é o exame de fezes em série (uma amostra de fezes a cada dia por três a seis dias seguidos) facilitando assim encontrar o organismo. Outro exame possível é pelo método ELISA que utiliza uma amostra muito pequena de fezes, e pode ser realizada em 8 minutos no consultório do médico veterinário.

É muito mais preciso do que um exame fecal.



Exame Elisa para Giardia

Como os resultados positivos ou negativos dos exames devem ser interpretados?

O resultado negativo do exame de fezes nem sempre vai indicar que o animal não está infectado, principalmente devido a eliminação do parasita nas fezes de forma intermitente. Se o resultado for positivo nesse exame, ou seja, se for encontrado o protozoário nas fezes ai sim podemos afirmar que o animal está infectado.

Já em relação ao teste ELISA os resultados podem sim indicar a presença ou não da doença. De qualquer forma, resultados negativos também podem ocorrer em alguns animais infectados. Se um teste negativo ocorre, o seu veterinário de acordo com a avaliação dele e dos sintomas apresentados, pode muitas vezes sugerir a repetição ou não do exame.

Se o exame for positivo ou se o animal é suspeito de ter a doença, como podemos tratá-lo?

Por se tratar de uma zoonose todo animal positivo ou suspeito de giardíase deve ser tratado. O tratamento deve ser baseado sempre no tripé Tratamento oral para eliminar o parasita do intestino, Desinfecção Ambiental para eliminar o parasita do ambiente e Limpeza do Animal com banhos para eliminar o parasita do pelo e da pele do animal que se recontamina quando se lambe. Mesmo que o animal seja assintomático (não tenha os sintomas da doença) ele deve ser tratado pois pode infectar pessoas, filhotes ou animais imunossuprimidos evitando assim possível transmissão para animais e pessoas.

Como posso evitar que o meu animal de estimação pegue Giárdia?

Os cistos podem viver várias semanas a meses fora do hospedeiro em ambientes úmidos frios e sombreados. Assim, gramados, parques, canis e outras áreas úmidas e sombradas contaminadas com fezes de animais podem ser uma fonte de infecção para o seu animal de estimação e mesmo para você. Você deve manter seu animal de estimação longe de áreas contaminadas por fezes de outros animais. Isso nem sempre é fácil.

Como os cães com Giárdia podem infectar as pessoas, todos esses cuidados devem ser tomados. Contudo, muitas vezes, nem sempre os animais de estimação são responsáveis pela contaminação humana. Ela pode ocorrer principalmente com hábitos inadequados de higiene e acabamos nos infectando com alimentos mal lavados, água contaminada ou mesmo pelas mãos mal lavadas ou contaminadas com coliformes fecais.

Educação sanitária e cuidados de higiene são fundamentais no controle da giardíase.






Existe no mercado uma série de vermífugos para cães e gatos. Alguns podem ser usados somente por cães, outros somente por gatos e outros ainda tem indicação para cães e gatos.
A grande maioria age sobre os principais parasitas intestinais, mas não existe ainda um vermífugo que age sobre todos parasitas. Por exemplo, em contaminações por giárdia, clostridium e isóspora temos que fazer tratamento com medicamentos específicos.

Por isso é muito importante fazermos um exame de fezes para identificar os possíveis parasitas e usar a medicação mais indicada.

Por que fazer o exame de fezes?

Por que um mesmo animal pode ter vários tipos de parasitas e para cada um pode existir um tipo indicado de vermífugo, de dose e frequência. Mesmo aqueles vermífugos de amplo espectro podem não eliminar todos os tipos de parasitas.

Muitas vezes o exame de fezes pode dar um resultado negativo (sem presença de ovos ou parasitas) e mesmo assim podem ter indicação de tratamento de acordo com a avaliação do médico veterinário, pois a eliminação de ovos não é continua e um exame negativo de fezes não quer dizer que não tenha os parasitas adultos.

Alguns animais têm que fazer vários exames de fezes pareados e intercalados para identificar a presença do parasita. Quando o exame de fezes indica a presença de algum parasita ou ovos, temos a possibilidade de fazer o medicamento mais indicado e mais seguro para o controle das parasitoses intestinais, baseado no ciclo do parasita.

Como fazer o exame de fezes?

A amostra de fezes deve ser coletada e acondicionada em um recipiente adequado e limpo e enviada dentro de 6 a 8 horas ao laboratório. O volume deve ser suficiente para fazer os dois exames mais comuns. Quando há presença de muito muco ou sangue na amostra, o resultado pode não ser confiável.

Mesmo animais que tenham muita diarréia por longo período, podem ter exame negativo de fezes.

Existem outros exames para identificar parasitas intestinais além do exame de fezes?

Hoje em dia temos exames ELISA para giárdia e PCR para giárdia e clostridium que são realizados com pequenas amostras de fezes.


*Extraído do site de Hospital Veterinário Pet Care faz todo atendimento de pediatria assim como laboratório clínico próprio para a realização de todos exames para diagnóstico das parasitoses intestinais com resultado no mesmo dia, com exceção do PCR que demora em torno de 48 horas.
Para tendimento ou agendamento entre em contato pelo telefone 3743 2142.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sejam Felizes

Além das historinhas de meus próprios gatinhos, espero que gostem das informações que coloquei. Estou certa que conhecerão muito mais sobre os gatos. São informações muito úteis sobre eles. Inclusive dicas de livros sobre gatos. Postei aqui cerca de 600 Gifs animados de gatinhos, mais de 500 gatinhos estáticos, pinturas de gatinhos,DESENHOS para pintar de gatinhos (Para Crianças), miniaturas, alphas (alfabetos), tags, natalinos, barrinhas, fundo de email, gatos mágicos e muito mais; TUDO referente a nossos amados bichanos. Então, é só aproveitar e sair baixando tudo que interessar. Com Amor e Carinho. ♥♥♥Martha Cibelli♥♥♥

Precisamos de MIL assinaturas

Seguidores

Labels

Follow by Email

Mais vistas

 

GatoMania Templates Ipietoon Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)