sábado, 2 de março de 2013

A Terceira Idade do seu Gato - Quando os gatos envelhecem...





Babi


Pois é, tenho uma gatinha (Babi) que não sei a idade dela, por ter pego ela prenha já adulta. Isso já tem oito anos. Acredito que ela está idosa, por perceber um certo cansaço - dorme o dia todo e a noite também – além da queda de pelo, que tenho que estar sempre escovando. Sem falar que pede carinho demais. Enfim, estou dando vitamina e de resto sigo minha intuição. Ela está bem.



Tal como as pessoas, os nossos amigos felinos também envelhecem. Tal como as pessoas, esse processo implica alguma mudança de comportamento/temperamento e também no organismo.

É por isso natural que o dono tenha que apoiar de forma especial o seu gato idoso, para que possa ver aumentada a sua qualidade de vida e inclusive, para que possa ser prolongado o tempo de vida.

É importante não esquecer que a forma como o gato foi mantido ao longo de toda a sua vida, vai contribuir decisivamente para aumentar as hipóteses de viver uma velhice sem problemas.

Quantos anos posso esperar que o meu gato esteja comigo e quando começa a fase do envelhecimento?

Amamos os nossos animais e gostaríamos que vivesse tanto quanto nós. Tal não é possível, mas um gato pode viver, em média, entre 14/16 anos. Há gatos que vivem 20 e até mais anos, mas não é comum que tal aconteça.

Geralmente, diz-se que um gato entra na terceira idade aos 9/10 anos. No entanto, é errado
considerar que um gato com essa idade é um velho ou idoso. Lentamente o gato pode ir demonstrando o peso da idade, mas sinais notórios de envelhecimento só vão aparecer alguns anos mais tarde.

Existe uma alteração no seu comportamento?

Naturalmente que a velhice também significa para o gato uma diminuição das capacidades físicas e por isso, o gato vai ficar menos ativo. As corridas são mais raras, a capacidade de saltar também diminui. Ficará menos brincalhão, talvez mais sensível a festas. Poderá isolar-se, para poder descansar mais à vontade.

Quais os sinais físicos que indicam o envelhecimento?

Vai tornar-se cada vez mais pachorrento e sedentário, passando ainda mais tempo a dormir.
As brincadeiras serão cada vez mais raras, embora deva continuar a insistir em brincar com
Ele.

Na medida em que se mexe menos, pode ter tendência para engordar, mas o oposto pode também ocorrer e o gato começar a emagrecer: se esse emagrecimento for muito acentuado, é
possível que alguma coisa não esteja bem e ele deve ser visto pelo veterinário.

Os dentes dos gatos também acusam o envelhecimento. Podem ficar escuros e até cair.
Podem aparecer gengivites. A comida em secos ajuda a controlar problemas com os dentes e
acumulação de tártaro.

Por outro lado, também a visão, a audição e até o paladar podem ver-se reduzidas, sobretudo em gatos realmente muito idosos.
O pelo fica menos brilhante, cai com mais frequência e quantidade, e podem até surgir algumas peladas.
A agilidade pode ficar diminuída. Se ele já não consegue saltar para os seus sítios favoritos, dê-lhe uma ajuda.

Devo mudar a alimentação?

As necessidades fisiológicas alteram-se com a idade, pelo que é recomendável que passe a dar comida específica para gatos idosos e a evitar determinados alimentos. As rações são completas e procuram contribuir para evitar que o gato se torne obeso (não se esqueça também que ele vai passar a ser cada vez menos activo e mais dorminhoco), ajudando igualmente a controlar eventuais problemas renais, que são uma das doenças que com maior frequência afetam os gatos idosos.
Existem já diversos suplementos alimentares, que só devem ser dados a conselho do veterinário.

Que outros cuidados devo ter com ele?

Escove o gato com frequência, para lhe retirar o pelo velho. Como ele vai lavar-se cada vez menos e deixará de ter a agilidade de outrora para chegar a todo o corpo, tenha o cuidado de periodicamente, o ir limpando com toalhetes, ajudando a que mantenha a sua beleza felina.
Também os gatos se tornam cada vez mais friorentos, por isso reforce a cama onde ele costuma estar com uma almofadinha e cobertor. Não se admire se ele procurar cada vez mais o conforto do aquecedor.

Esteja atento a mudanças de apetite e também à quantidade de água que ele bebe. Beber água em excesso é sinal de problemas renais. Um outro indicador de problemas renais, pode ser dado pelo odor estranho que o gato pode passar a ter. Neste caso, dirija-se de imediato ao seu veterinário. Com uma análise simples detectará se existe ou não insuficiência renal e com uma alimentação adequada para este tipo de problema, poderá controlar a doença.

Se notar algo de estranho no comportamento, se fisicamente alguma coisa lhe chamar a atenção, convém que não demore a levar o gato ao veterinário.

E sobretudo, faça com que até ao fim o seu gato se sinta dono do seu coração. Mime-o e desfrute da sua companhia, sempre que lhe for possível. Respeite a sua necessidade de isolamento, se ela for evidente, mas não se esqueça que ele ainda ali está, só porque ele deixou de o procurar com mais frequência. Não o ignore quando ele chama a sua atenção.

Faça-lhe festas (ainda mais). Esteja com ele até ao fim e mais do nunca, não o abandone.



Minhas sinceras desculpas por não me lembrar de onde baixei este PDF. Acaso saibam, me enviem um email.


Faça seu gatinho partir deste plano com tranquilidade, recebendo muito AMOR.




Mais sobre envelhecimento dos bichanos...



O envelhecimento é um processo inevitável e irreversível. Contudo, o estado débil atribuído ao gato geriátrico, pode ser oriundo de uma enfermidade que pode ser corrigida ou pelo menos tratável pelo médico veterinário. Deve-se diferenciar as mudanças inerentes ao processo de envelhecimento daquelas em função dos processos patológicos.
              
O ciclo de vida do gato pode ser dividido em quatro estágios: filhotes – faixa etária compreendendo 6 a 8 meses; adultos – animais com 1 a 7 anos de idade; idosos – entre 8 a 12 anos; geriátricos – após os 12 anos.


O número de gatos idosos e geriátricos vem aumentando no atendimento clínico diário. Isso se deve pelo aumento da preferência do felino como animal de estimação e pelo fato da medicina veterinária preventiva ter evoluindo muito. Hoje os gatos são favorecidos pelos programas de vacinação, dietas mais adequadas para a faixa etária e de prescrição (segundo as enfermidades), além da evolução das técnicas para obtenção de um melhor diagnóstico, somando-se ainda, a participação de proprietários mais conscientes e zelosos pela saúde do seu gato. Tudo isso fez com que a expectativa de vida dos gatos, que era de 10 anos, passasse para 15 anos. Se estimarmos em 15 anos a longevidade média de um gato, este atingirá o último terço de vida ao redor dos 10 anos de idade, o que corresponde a uma definição comum de envelhecimento qualquer que seja a espécie envolvida. Neste estágio, geralmente aparecem sinais que chamam a atenção dos proprietários: falta de dinamismo, sonolência, alteração do pêlo.

A expectativa de vida máxima de um gato é geneticamente programada. Ao contrário do que ocorre com os cães, a raça tem pouca influência na expectativa de vida do gato, mas varia consideravelmente em função do ambiente do animal. Para um gato que vive fora de casa, a expectativa de vida é de apenas 10 anos, mas um animal confinado em um universo muito protegido atinge 18 a 20 anos de idade. Alguns gatos são conhecidos por terem vivido mais de 30 anos. Hoje em dia os gatos são castrados com freqüência e vivem mais no interior das casas: portanto, estão menos expostos a acidentes. Uma alimentação apropriada e de qualidade permite combater os fenômenos patológicos e fisiológicos ligados ao envelhecimento, manter o peso do gato em seu nível ideal, e contribuir para a prevenção de problemas urinários.

O conhecimento da influência do envelhecimento em cada um dos sistemas orgânicos aumenta a capacidade para criar critérios para os meios de diagnósticos, para planejar programas de prevenção de doenças e instituir terapias adequadas. Os gatos idosos e geriátricos são mais sedentários, menos enérgicos, menos curiosos e mais restritos em suas atividades. Eles se ajustam lentamente às mudanças da dieta, atividades e rotina. Eles são menos tolerantes ao calor ou frio extremo. Eles procuram locais confortáveis aquecidos e dormem por longos períodos. Os pêlos apresentam-se embolados, secos e sem brilho, visto que os gatos idosos costumam perder o interesse de se lamberem. Quando manipulados, são mais fáceis de se irritar.
              
Muitas das mudanças comportamentais ocorrem pelas alterações nos órgãos dos sentidos: diminuição da audição, da visão e do olfato. As unhas são pouco desgastadas e é comum vê-las introduzidas nos coxins (almofadinha das patas). Eles apresentam dores articulares, em função de doenças degenerativas das articulações, fraqueza muscular e perda de tônus muscular. Tudo isso faz com que os gatos restrinjam sua atividade e habilidade para participar da vida familiar. Muitos gatos ficam tão carentes com o afastamento que começam um processo de lambedura compulsiva, levando a áreas extensas de alopecia, ou iniciam com o distúrbio de eliminação de urina ou fezes em locais inapropriados. Viagens e hospitalizações são pouco toleradas pelos gatos idosos. Tais gatos se alimentam pouco ou ficam anoréticos, muito ansiosos e dormem pouco. É melhor deixá-los em casa sob os cuidados de alguém familiar (“cat-sitting services”). Constipação é um dos problemas freqüentes do gato idoso. Os fatores de risco são: falta de exercício, retenção fecal voluntária, dieta inapropriada, dor por impactação da glândula adanal, redução da motilidade intestinal e fraqueza da musculatura intestinal. As fezes se apresentam mais ressecadas e endurecidas. Doenças periodontais levam a processos extremamente dolorosos e fazem com que os gatos recusem o alimento. A perda de peso é um problema sério no gato idoso e deve ser investigada se é devido a problemas dentários, endócrinos, afecções de má absorção e/ou a uma percepção mais fraca dos odores e sabores dos alimentos.

O gato é por natureza um grande consumidor de proteínas, não há razão alguma para reduzir drasticamente o fornecimento protéico quando ele envelhece. Esta restrição poderia ser prejudicial a sua saúde. Enquanto que a restrição protéica não permite retardar o envelhecimento do rim, por outro lado aconselha-se uma diminuição de fósforo na dieta. Com esta medida pode-se esperar um retardamento do declínio da função renal. Os alimentos que acidificam a urina dos gatos são desaconselhados após os 10 anos de idade. Estes alimentos parecem favorecer o desenvolvimento de cálculos urinários de oxalato, os quais são mais frequentemente observados em gatos idosos. Além disso, é melhor evitar alimentos acidificantes em animais cuja função renal poderia estar prejudicada.

Como consequência de um aumento na expectativa de vida do gato, observamos cada vez mais as doenças crônicas. As doenças encontradas com maior frequência em gatos idosos são: insuficiência renal crônica, problemas dentários, tumores (adenoma funcional da glândula tireóide, acarretando em hipertiroidismo), degenerações ósseas e musculares, doenças cardiovasculares e diabetes mellitus.



O programa preventivo de saúde para o gato idoso deve ser iniciado a partir da faixa etária de 7 a 11 anos de idade e deve continuar por todo resto de sua vida. Esse programa tem sido recomendado pela Associação Americana de Clínicos Especialistas em Felinos e pela Academia de Medicina Felina, em 2005, num painel para reportar os cuidados com o paciente felino idoso. Caso o gato não demonstre nenhum tipo de doença, na avaliação deve constar: avaliação completa da história médica pregressa e do comportamento do animal, exame físico completo, aferição da pressão arterial e exames sanguineos, que ajudam a estabelecer o que está normal e reconhecer o mais cedo possível o que está errado. É fundamental avaliar o peso do animal e as condições corpóreas e compará-las com aferições anteriores, para verificar se houve perda ou ganho substancial. A recomendação para pacientes que estejam portando alguma enfermidade é similar as anteriormente mencionadas associadas aos exames específicos para as afecções.   


www.blogfelino.com.br
Por Raquel Redaelli – Médica Veterinária

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sejam Felizes

Além das historinhas de meus próprios gatinhos, espero que gostem das informações que coloquei. Estou certa que conhecerão muito mais sobre os gatos. São informações muito úteis sobre eles. Inclusive dicas de livros sobre gatos. Postei aqui cerca de 600 Gifs animados de gatinhos, mais de 500 gatinhos estáticos, pinturas de gatinhos,DESENHOS para pintar de gatinhos (Para Crianças), miniaturas, alphas (alfabetos), tags, natalinos, barrinhas, fundo de email, gatos mágicos e muito mais; TUDO referente a nossos amados bichanos. Então, é só aproveitar e sair baixando tudo que interessar. Com Amor e Carinho. ♥♥♥Martha Cibelli♥♥♥

Precisamos de MIL assinaturas

Seguidores

Labels

Follow by Email

Mais vistas

 

GatoMania Templates Ipietoon Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)